sábado, 11 de março de 2017 - 13:53h
Moradores do Perpétuo Socorro e Cidade Nova aprovam projetos habitacionais
Projeto do Governo do Estado, planejado com a comunidade, prevê a construção de 500 casas
Por: Cassio Albuquerque .Colaboradores: Lílian Guimarães
Foto: Maksuel Martins
Projetos preveem a construção de 500 unidades que beneficiarão famílias em situação de risco

As lideranças comunitárias dos bairros Perpétuo Socorro e Cidade Nova avaliam de forma positiva o projeto apresentado pelo Governo do Estado que prevê a construção de 500 unidades habitacionais para receber famílias de seis áreas. Uma delas foi onde ocorreu um incêndio que desabrigou quase 400 famílias e destruiu 250 casas em outubro de 2013.

Para os representantes esta iniciativa terá um importante papel para o desenvolvimento econômico e social nos próximos anos em ambos os bairros, localizados na Zona Leste e região Central de Macapá.

O presidente da Associação dos Feirantes do Mercado do Perpétuo Socorro, Francisco Silva, disse que desde o sinistro de 2013, que atingiu a feira da Avenida Nery e casas localizadas em áreas de ressaca, houve uma queda nas vendas e no comércio local.

“Cerca de três mil pessoas deixaram o bairro após o incêndio e durante esse tempo o comércio foi diretamente afetado, gerando a queda nas vendas e até o fechamento de comércios. A gente espera que com esse projeto a situação possa melhorar, pois acompanhamos todo o processo e está dentro do que a população do bairro reivindica”, frisou.

O presidente da Associação dos Moradores do bairro Perpétuo Socorro, Magno Pantoja, destacou o trabalho do governo na elaboração do projeto, que foi planejado com o acompanhamento da população.

“Tivemos duas audiências públicas ano passado e o governador Waldez Góes reuniu há dois anos para falar sobre o projeto. Nós acompanhamos o processo desde o começo porque sabemos que esse projeto é importante e que vai melhor muito a vida de quem vive na periferia do bairro”, declarou.

O presidente do Conselho de Segurança do bairro, Márcio Tavares, também é a favor da construção das unidades habitacionais na área para melhorar a qualidade de vida da população.

“Sabemos o quanto será importante para a comunidade por isso estamos dando o apoio e o governo por outro lado nos chamou para acompanhar todo o processo”, reforçou.

O presidente da Associação dos Moradores do Bairro Cidade Nova, Oseias Ferreira, destacou que a população do bairro também será beneficiada com o projeto, fortalecendo o comércio e melhorando o tráfego na região. “Somos o bairro vizinho e esse projeto vai integrar ainda essas áreas, dando mais mobilidade e condições para o desenvolvimento dos bairros”, disse.

Habitações

Os projetos preveem a construção de 500 unidades que beneficiarão famílias que vivem atualmente em conglomerados e situações que representam riscos de outros sinistros.

“São seis áreas nestas duas comunidades que possuem uma densidade demográfica extremamente alta em relação ao restante dos bairros. Isto coloca em risco essas famílias, pois em casos de outro sinistro, poderia ocorrer uma tragédia muito maior, em razão das passagens de acesso a esses locais serem muito estreitas, em alguns casos, de menos de um metro”, detalhou o secretário estadual das cidades, Alcir Matos, durante o anúncio do projeto.

Cada moradia terá sala, cozinha, área de serviço, banheiro e dois quartos. Os blocos multifamiliares terão dois pavimentos, (térreo mais um). Algumas unidades serão dotadas de acessibilidade para pessoas com deficiência.

Na área do incêndio a urbanização planejada abrange vagas de estacionamento no entorno, áreas verdes com espaços de convivência, academia ao ar livre, quadra poliesportiva, playground, sistema de drenagem e de esgoto, nova rede de Iluminação pública. A feira localizada na área do entorno do incêndio também será revitalizada.

Captação de recursos

No próximo dia 14, o governador Waldez Góes vai à Brasília, acompanhado de uma equipe técnica do setor de Habitação e com representantes da comunidade. Com apoio da bancada federal, ele vai apresentar diversos projetos para garantir moradias em três municípios do Estado: Macapá, Santana e Oiapoque. Entre esses projetos, está o do Perpétuo Socorro. A agenda ocorre no Ministério das Cidades.

Os recursos pretendidos são do Programa Minha Casa, Minha Vida, cuja terceira fase foi lançada recentemente pelo Governo Federal. A nova versão passou a ter novas regras, principalmente de cotas e contemplação. O programa agora tem novas faixas de prioridade e abertura para alguns critérios sociais como renda e contingente familiar. Nesta edição, o programa só terá orçamento para 100 mil unidades habitacionais em todo o país, com cotas definidas por região. Contudo, segundo o chefe do Executivo, existem grandes chances de captação de recurso junto ao Ministério das Cidades para o projeto do Perpétuo Socorro e Cidade Nova.

“Em função do caso ser uma “demanda fechada”, nossa chance de captação de recursos é muito boa. Optamos por projetos pequenos, mas que tenham grande impacto junto à sociedade, pois nosso objetivo é fazer de maneira ordenada, organizada e muito bem projetada com os devidos equipamentos sociais”, destacou Waldez Góes.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2015 - Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá